A defesa do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) pediu nesta quarta-feira (10.jul.2024) acesso à delação premiada do tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens do antigo chefe do Executivo, e aos outros documentos do inquérito da PF (Polícia Federal) que apura a venda das joias sauditas.

A solicitação foi enviada ao ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes, relator no Supremo. A defesa classificou o indiciamento de Bolsonaro no caso como “anômalo”.

Segundo os advogados, o acesso “há que ser irrestrito” porque súmula do STF “só excepciona o acesso aos elementos de prova que não tiverem sido documentados em procedimento investigatório, o que não se aplica ao presente caso, haja vista a midiática informação sobre o indiciamento e conclusão da apuração”.

Poder360