A vice-prefeita Kátia Pires resolveu se unir à adversária professora Nilda, nas eleições deste ano, em Parnamirim. O fato político surpreendeu. Depois ter esperado o apoio de Taveira para sua pré-candidatura, ter rompido com o prefeito somente depois de não ter sido a escolhida, ter ficado sozinha no seu projeto político pessoal de eleger a si mesma e a filha como vereadora e vir derretendo nas pesquisas como pré-candidata à prefeita, ela perdeu-se no tempo e no discurso.

Kátia Pires (União Brasil) mantinha a pré-candidatura alardeando que era aliada do ex-presidente Jair Bolsonaro. Agora frustra os eleitores da Direita, em Parnamirim, aceitando ser vice da Professora Nilda (Solidariedade). A chapa tem o apoio da esquerda e das principais lideranças políticas da base da governadora Fátima Bezerra.

As duas já têm o apoio formal do vice governador de Fátima, Walter Alves, e do deputado Kleber Rodrigues. A própria Nilda esteve ao lado da governadora Fátima (PT), nas eleições de 2022.

Antes adversárias, com direito a processo de Nilda contra a eleição de Taveira e Kátia em 2020, tentando derrubar a vitória deles no tapetão, agora as duas viram a página, se juntam e apostam na amnésia dos eleitores de Parnamirim. A estratégia é encobrir a incoerência do discurso e das posições políticas de conveniência.

Mas a verdade é que a aliança das duas não agrada eleitores nem da esquerda, que simpatizam com a Nilda, e nem da corrente da direita, que não quer dar espaço para quem veste a camisa vermelha da política.